Inicial > Gestão > Histórico da função Manutenção

Histórico da função Manutenção


Segue abaixo mais uma parte do meu trabalho, deixem seus comentários.

Segundo Viana (2002) a história da manutenção pode ser dividida como se segue:

Até 1914, inexistência de manutenção, as empresas reparavam seus equipamentos com o efetivo disponível.

De 1914 a 1930, surge a manutenção corretiva como parte integrante do organograma das empresas.

De 1930 a 1940, surge a manutenção preventiva atuando junto à corretiva. Os organogramas das empresas apresentam um órgão de supervisão de manutenção do mesmo nível do de produção.

De 1940 a 1950, surge a Engenharia de Manutenção em nível departamental, subordinada a uma gerência de manutenção e em mesmo nível do órgão de execução de manutenção.

De 1950 a 1966, o órgão de Engenharia de manutenção assume posição mais destacada, passando a desenvolver controle de manutenção a processo de análise, visando a redução de custos de manutenção.

De 1966 à época atual, o órgão de Engenharia de Manutenção se vale de processos sofisticados de controle, usando o computador e programas para análise de resultados, passando a aplicar fórmulas mais complexas para o cálculo dos mesmos. Podemos dizer que com o passar dos anos houve um aumento das expectativas em relação aos resultados da manutenção, pois com a utilização cada vez mais de tecnologia nos serviços, a manutenção vira um ponto de referência, suas decisões não ficam apenas fundamentadas no conhecimento empírico, pois há um estudo que é realizado para se chegar em determinadas respostas.

A seguir veremos a divisão da evolução da manutenção por gerações destacando as principais características da manutenção em cada geração.

Primeira geração

Conserto após a falha;Todos os equipamentos se desgastam com a idade e, por isso, falham;Habilidades voltadas para o reparo.

Segunda geração

Manutenção preventiva (por tempo).Disponibilidade crescente;Maior vida útil do equipamento;

Terceira geração

Monitoramento da condição;Maior confiabilidade;Maior disponibilidade;

Melhor relação custo-benefício;

Preservação do Meio ambiente;

Análise de risco;

Projetos voltados para a confiabilidade;

Quarta geração

Gerenciar os ativos;Maior confiabilidade;Maior disponibilidade;

Manutenibilidade;

Preservação do Meio ambiente e maior segurança;

Aumento da manutenção preditiva e monitoramento da condição;

Minimização nas manutenções preventiva e corretiva não planejada;

Análise de falhas;

Técnicas de confiabilidade;

Engenharia de manutenção;

Projetos voltados para confiabilidade, manutenibilidade e custo do ciclo de vida;

Quadro 4 – A evolução da manutenção Fonte: Kardec e Nascif, 2009, p. 5

Anúncios
  1. Claudio Ramos
    maio 21, 2011 às 1:13 am

    Muito bom esse artigo, vocês estão de parabéns

  2. Rafael
    junho 29, 2015 às 2:14 pm

    Amigo, faltou mencionar a referência para “Viana (2002)” e “Kardec e Nascif, 2009, p.5”

    • agosto 10, 2015 às 10:24 pm

      Rafael, boa noite!
      As referências estão no texto, faltou alguma outra?

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: